Corpo e Mente
A gravidez de risco exige cuidados especiais

A gravidez de risco exige cuidados especiais

Saiba mais sobre a Trombofilia, doença que pode causar aborto quando não diagnosticada - e tratada - desde cedo.

A gravidez é um momento mágico, ninguém tem dúvidas disso, - mas, por vezes, quando ela é descoberta, ela gera várias dúvidas e incertezas na cabeça das futuras mamães – principalmente para aquelas de primeira viagem. Acompanhado de felicidade extrema, esse momento deve ser muito apreciado pela mulher, já que a partir desse dia, ela toma consciência de que o seu corpo não é mais só seu, mas seu e da criança que passa a habitar durante nove meses dentro da sua barriga – e que permanecerá em sua vida para sempre.


Porém, para que a gravidez seja algo proveitoso para a mãe, para a família e para o bebê, é preciso que sejam tomados alguns cuidados especiais – principalmente quando se trata de uma gravidez de risco.


Carol Chab, radialista e engenheira agrônoma de 28 anos, está grávida do seu primeiro filho e logo no início da gravidez descobriu que enfrentava uma gravidez de risco: foi diagnosticada com trobofilia – uma grande possibilidade de desenvolver trombose durante a gravidez. “Fiquei assustada quando fui diagnosticada, é claro, mas aproveitei o susto para pesquisar muito sobre o assunto e a conversar com médicos e mulheres que também foram diagnosticadas com a trombofilia. Depois, quando estava mais tranquila, percebi que teria que ter alguns cuidados a mais para evitar o aborto tardio (depois dos três meses de gestação), evitar alguma complicação para a minha própria saúde ou o bebê nascer menor do que o normal, mas eram todos cuidados plausíveis, que me ajudaram a ficar mais segura e confiante”, comenta.


A futura mamãe comenta que hoje precisa de medicação e cuidados especiais – como o uso da meia de compressão, não ficar muito tempo parada na mesma posição e fazer caminhadas leves. “Mas quando o diagnóstico é precoce, como foi o meu caso, os riscos caem muito - desde que eu siga as recomendações médicas, claro. Fazendo isso, posso inclusive ter outra gravidez desde que tenha os mesmos cuidados”, exalta Carol.


A radialista descobriu que tinha trombofilia sem nenhum trauma anterior, apesar de ter conhecido algumas mulheres que sofreram mais de três abortos antes de terem sido diagnosticadas com a doença. “Eu tenho histórico familiar propenso a essa doença. Procurei um médico geneticista e fiz uma pesquisa genética que está disponível já em alguns planos de saúde. E meus exames deram positivo: ou seja, eu tinha um grande risco de sofrer aborto e trombose”, explica, Carol, que diz que gostaria de fazer um alerta para todas as mulheres que sofreram com aborto ou com a trombose:


“Essa é uma doença que qualquer mulher pode ter. Existem alguns fatores de risco, sim, como a obesidade, fumo, sedentarismo, etc. Mas também existe o fator genético que tem grande importância - e nesse casos, não existem culpados”, diz ela, que lembra que algumas mulheres tem essa doença e nem sabem, outras podem ter e nunca sofrer nada, e, algumas, assim como ela, desenvolvem esse gene.

 

© É proibida a reprodução, cópia, republicação, redistribuição e armazenamento por qualquer meio, total ou parcial © Copyright 1992 a 2018
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
As informações relacionadas à saúde, contidas em nossos sites, tem caráter informativo, cultural e educacional. O seu conteúdo não deverá ser utilizado para autodiagnóstico, autotratamento e automedicação. Nossos conteúdos são formados por autores independentes e assessorias de imprensa, responsáveis pela origem, qualidade e comprometimento com a verdade da informação. Consulte sempre um profissional de saúde para seus diagnósticos e tratamentos ou consulte um profissional técnico antes de comprar qualquer produto para sua empresa.
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
As informações publicadas, nos sites/portais, são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião da
 IAOL - Integração Ativa On-Line Editora Ltda. (11) 4411-6380

Autoria

Texto de: Verônica Pacheco - Contato com: Carol Chab - (41) 9177-1773 / (41) 3058-7406 - Email: carolchab@radiomais.am.br - www.carolchab.com.br - Jornal O Legado - Novembro de 2014

Artigos Relacionados

Contato

+55 11 4411-6380

Formulário de contato

Marketing
Corpo e Mente
  • Promovendo o
  • bem estar
  • para todos
Informativo