Corpo e Mente
Afinal, as anfetaminas foram ou não liberadas?

Afinal, as anfetaminas foram ou não liberadas?


Nutrólogo abre o leque sobre o uso dos medicamentos e fala sobre tratamentos que podem ser feitos a parte



As gorduras localizadas no nosso corpo não apareceram ali do dia para noite, mas são resultados de meses ou anos de uma alimentação não equilibrada e do sedentarismo. Em alguns casos, o ganho de peso pode ocorrer por fatores genéticos (familiares) e também por disfunções endócrinas.  Perder peso sem passar fome é possível sim, o fato é que estamos sempre procurando uma forma de fazê-lo rapidamente, e por isso muitos optam pelas anfetaminas.  

Segundo Máximo Asinelli, nutrólogo e gestor da Clínica Asinelli, em Curitiba, “esses medicamentos – tido como drogas podem ajudar um grande número de pacientes, mas devem ser analisados caso a caso na relação risco x benefício e dose adequada, pois podem trazer riscos a pessoas com predisposições a doenças cardíacas e psiquiátricas, e seus benefícios contra a obesidade podem ser limitados. Por esse motivo, as substâncias também foram proibidas nos Estados Unidos e na Europa”, pontua. Seu uso contínuo e desequilibrado pode levar à dependência e degeneração de determinadas células do cérebro, o que indica a possibilidade de produzir lesões irreversíveis em pessoas que abusam dessas drogas.

Porém, os emagrecedores anfepramona, femproporex e mazindol viraram tema de intenso debate, após o Congresso liberar nos últimos tempos, seu uso no Brasil, sob o apoio das sociedades médicas, embora a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) siga afirmando que os riscos à saúde são maiores que os benefícios.  

Asinelli destaca que embora os medicamentos tenham sido aprovados pelo Congresso, a Anvisa não pretende dar o selo de qualidade aos medicamentos, o que dificultará para os fabricantes em sua distribuição, aos comerciantes e aos consumidores, deixando-os por sua conta e risco. Diante das controvérsias, o nutrólogo expõe que “há diversos tratamentos que podem substituir o uso dos medicamentos, trazendo mais satisfação e saúde. Tais procedimentos exigem maior acompanhamento e tempo, porém apresentam maior êxito”, finaliza.  

Fonte: Dr. Máximo Asinlli - Nutrólogo, diretor da Clínica Asinelli -  (41) 3015-6001 - www.clinicaasinelli.com.br


Participe do grupo do Jornal O Legado no Facebook - clique aqui

Você já leu a edição deste mês do Jornal O Legado? Clique aqui para ler

© É proibida a reprodução, cópia, republicação, redistribuição e armazenamento por qualquer meio, total ou parcial © Copyright 1992 a 2017
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
As informações relacionadas à saúde, contidas em nossos sites, tem caráter informativo, cultural e educacional. O seu conteúdo não deverá ser utilizado para autodiagnóstico, autotratamento e automedicação. Nossos conteúdos são formados por autores independentes e assessorias de imprensa, responsáveis pela origem, qualidade e comprometimento com a verdade da informação. Consulte sempre um profissional de saúde para seus diagnósticos e tratamentos ou consulte um profissional técnico antes de comprar qualquer produto para sua empresa.
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
As informações publicadas, nos sites/portais, são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião da
 IAOL - Integração Ativa On-Line Editora Ltda. (11) 4411-6380

Autoria

Texto de: Verônica Pacheco - Toda Comunicação - Outubro 2017

Artigos Relacionados

Contato

+55 11 4411-6380

Formulário de contato

Marketing
  • Perfil
  • Público alvo
  • Publicidade
Corpo e Mente
  • Promovendo o
  • bem estar
  • para todos
Informativo