Corpo e Mente
A vestimenta de uma mulher é um “convite” à violência?

A vestimenta de uma mulher é um “convite” à violência?




Psicanalista afirma: a mulher que usa uma roupa mais sensual quer, sim, ser vista, admirada e atrair pessoas. Mas, em nenhum momento, comunica que aceita ser vítima de uma violência



Em certa ocasião, um defensor público fez uma polêmica declaração: disse que “a vestimenta de uma mulher é parte de um simbolismo que diz muito para fins de processo, para fins de condenação ou absolvição no campo criminal”. Segundo ele, usar uma minissaia, por exemplo, faz a mulher “ficar sujeita a uma pessoa interpretar que ela está seduzindo ou por ventura dando oportunidade para uma paquera, um namoro e quem sabe até algo mais sério“.

Segundo a psicanalista Débora Damasceno, diretora da Escola de Psicanálise de São Paulo, a vestimenta de qualquer pessoa, seja homem ou mulher, é um código social que traz consigo uma comunicação. “Algumas roupas comunicam seriedade; outras, sedução. Alguns, fazem um estilo despojado, o que se reflete nas roupas que usa. Outros preferem vestes mais esportivas. E não é à toa que existem muitos sites, revistas, consultores de moda e estilo que nos ensinam o que vestir em cada ocasião”.

Especificamente sobre a minissaia, Débora recorda que quando elas surgiram, nos anos 60, tinham consigo a ideia de transgressão, para romper uma cultura social que dizia que uma saia mais curta não poderia ultrapassar a altura dos joelhos. “Encurtar 20 centímetros foi um choque para homens e mulheres também. Logo, iniciou-se um julgamento que dizia que uma mulher que usava minissaia era imoral”, reforça.

Para a psicanalista, a mulher que usa uma roupa mais sensual quer, sim, ser vista, admirada e atrair pessoas – por que não? Mas, em nenhum momento, comunica que aceita ser vítima de uma violência. “O homem que a comete, na verdade, está culpando a mulher por sua falta de civilidade. E frequentemente diz que agiu mal porque foi provocado”. A justificativa da violência contra a mulher, a apontando como culpada, é um discurso antigo que a coloca como responsável pela sexualidade do homem. “É o resgate das velhas repressões que não fazem mais sentido nos tempos atuais. Temos recursos para pensar e agir de forma diferente. Mas ainda é mais fácil responsabilizar o outro pelo que temos e fazemos de mal”.

Débora cita que até mesmo para relacionar-se com uma prostituta, o homem precisa negociar antes: onde será o encontro, por quanto tempo, quanto custará ... “Por que com uma mulher que o atraiu, por sua apresentação pessoal, não pode haver, também uma negociação social antes da aproximação? ”

Por fim, a psicanalista afirma que classificar esta discussão como “machista” ou como uma defesa do “feminismo” é muito reducionista. Para ela, a questão é muito maior: é respeitar o próximo e saber conviver com ele. “E nisto, infelizmente, a humanidade está se perdendo. Ou se resgata o relacionamento com o outro, sem impor que ele exista sob minhas regras, ou viveremos um caos”.
 

Fonte: Débora Damasceno – Diretora da Escola de Psicanálise de São Paulo é Bacharel em Filosofia; pós-graduada em Psicanálise; especializada em Sexualidade Humana pelo Instituto de Ciências Biomédicas (USP); tem formação em Neuropsicanálise e é coordenadora de Psicanálise do Grupo de Estudos de Neuropsicanálise e Medicina Comportamental da Unifesp.

 

 

Participe do grupo do Jornal O Legado no Facebook - clique aqui


Você já leu a edição deste mês do Jornal O Legado? Clique aqui para ler 

 

Você já leu a edição do mês passado do Jornal O Legado? Clique aqui para ler 

© É proibida a reprodução, cópia, republicação, redistribuição e armazenamento por qualquer meio, total ou parcial © Copyright 1992 a 2018
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
As informações relacionadas à saúde, contidas em nossos sites, tem caráter informativo, cultural e educacional. O seu conteúdo não deverá ser utilizado para autodiagnóstico, autotratamento e automedicação. Nossos conteúdos são formados por autores independentes e assessorias de imprensa, responsáveis pela origem, qualidade e comprometimento com a verdade da informação. Consulte sempre um profissional de saúde para seus diagnósticos e tratamentos ou consulte um profissional técnico antes de comprar qualquer produto para sua empresa.
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
As informações publicadas, nos sites/portais, são de responsabilidade de seus autores e não refletem necessariamente a opinião da
 IAOL - Integração Ativa On-Line Editora Ltda. (11) 4411-6380

Autoria

Texto de Maria Paula Fonseca - Elo Comunicação - Jornal O Legado – Abril 2018

Artigos Relacionados

Contato

+55 11 4411-6380

Formulário de contato

Marketing
Corpo e Mente
  • Promovendo o
  • bem estar
  • para todos
Informativo